A revolução dos snacks!

As preocupações relativamente à saúde e alimentação variam substancialmente através do globo.

No centro de muitas destas discussões, encontra-se o açúcar, tendo o seu consumo sido já taxado em diversos países. Incluindo o nosso.

As opiniões acerca deste imposto são diversas, no entanto, é difícil argumentar contra uma medida que para além de promover hábitos alimentares mais conducentes a uma vida saudável, promove, consequentemente, práticas mais responsáveis por parte da indústria. Obrigando-a desenvolver novos produtos, menos processados, mais reais, com menos aditivos e em última análise, pouco a  pouco, mais saudáveis.

No entanto, não chega apenas reduzir nos açúcares adicionados para um produto obter o estatuto “saudável”.

Um produto verdadeiramente “saudável” não contém aditivos, ingredientes excessivamente processados e geneticamente modificados. A sua composição não inclui conservantes, nem melhorantes de sabor e aroma.

Deverá por oposição incluir ingredientes completos, garantindo uma composição equilibrada de aromas e texturas provenientes de ingredientes não processados e de excelente qualidade.

O açúcar permite mascarar esta ausência de qualidade, desencadeando a nossa propensão genética para adorarmos comida açucarada!

No entanto nem todos os açúcares são iguais.

Entre açúcares extraídos e açúcares naturalmente presentes existe uma diferença substancial, que jaz no que “está à volta do açúcar”.

Para ser mais explícito podemos dar como exemplo a fruta. Esta, coloquialmente falando, encontra-se repleta de “açúcar”, no entanto está também repleta de fibra alimentar, que entre outros,  reduz o seu índice glicémico.

A forma como o açúcar é absorvido pelo nosso organismo um factor fundamental para entendermos que produtos podem ser potencialmente nocivos para o nosso corpo.

Para comparação: uma barra natural à base de frutos-secos pode conter por 100gr maior quantidade de açúcar que um chocolate amplamente vendido no mercado de consumo. No entanto, se observarmos as características nutricionais de ambos podemos verificar que o chocolate, oferece pouca proteína, pouca fibra alimentar e muito açúcar adicionado e gordura saturada, enquanto a barra oferece precisamente o oposto, muita proteína, muita fibra alimentar e pouca gordura saturada sem adição de açúcar, isto, sem recorrer a aditivos alimentares. (não mencionando a lista impressionante de ingredientes que alguns deste produtos exibem)

É certamente um revolução no mundo dos snacks, pois o consumidor assim o exige e compreende os claros benefícios de optar por uma dieta mais equilibrada e mais saudável.

Existirá sempre um momento para um “doce”, no futuro será apenas mais consciente, mas não menos delicioso.

 

Qualquer questão blog@wildbran.pt

Please follow and like us: